Ibovespa volta a cair e se aproxima dos 72 mil pontos.

A percepção de risco do investidor com o Brasil segue forte. Em um ambiente em que os emergentes seguem fragilizados, o alívio com o cenário eleitoral durou pouco, e o investidor começa a semana mais uma vez em tom defensivo.

Ontem, o Ibovespa caiu 0,87%, aos 72.308 pontos, depois de ter cedido até os 71.843 pontos (-1,51%). O giro, no entanto, mostra a menor disposição dos agentes aos negócios: R$ 7,6 bilhões, abaixo da média dos últimos dias.

O Brasil, que vinha em um ritmo mais resiliente em relação a outros emergentes, agora parece mostrar mais as suas vulnerabilidades, em especial depois que a greve dos caminhoneiros demonstrou o quão frágil está o governo atual. O MSCI Brasil, indicador relevante para os estrangeiros, acumula queda de 3,56% no mês e de 16,89% no ano. Já o MSCI de mercados emergentes tem, no mês, alta de 1,31%, enquanto a queda no ano é de 1,99%. Os dados são do fechamento de sexta-feira, o mais recente.

A piora do mercado local se concentrou em maio, quando a crise dos combustíveis e a greve dos caminhoneiros jogaram dúvidas sobre a capacidade de articulação do governo de Michel Temer e derrubaram o então presidente da Petrobras, Pedro Parente. De maio até sexta, o MSCI Brasil caía 22%, ante um recuo de 2,5% nos emergentes. De janeiro a abril, antes da turbulência, o MSCI Brasil havia acumulado alta de 6,6%, enquanto os emergentes subiram 0,5%.

A divulgação da pesquisa Datafolha com as intenções de voto nas eleições presidenciais mostrou que candidaturas menos alinhadas com a agenda de reformas não deslancharam. No entanto, tampouco o levantamento indicou que chapas mais alinhadas ao mercado ganharam força. Trata-se, segundo operadores, de um contexto que mantém o investidor retraído, em busca de opções mais defensivas para reduzir a volatilidade das carteiras e menos propenso à tomada de risco.

“Tivemos um bloco de corretoras estrangeiras grandes vendendo [ações] à vista, em especial nos papéis mais líquidos, o que explica a piora dos bancos durante a tarde”, nota um operador. “Isso ocorre em um contexto em que a demanda por crédito, que já não era grande, deve encontrar mais problemas para se expandir.”

A fragilidade da economia foi reforçada ontem pelos dados do Boletim Focus: enquanto os economistas preveem inflação maior para o fim deste e do próximo ano, as perspectivas para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2018 e 2019 caíram para 1,94% e 2,80%, respectivamente.

Entre os bancos, todos ficaram no vermelho: a ação ordinária do Bradesco caiu 2,04%, enquanto a preferencial cedeu 1,89%; a preferencial do Itaú recuou 2,89%.

Nesse momento, a regra é buscar os ativos menos arriscados em cada segmento. Na Guide Investimentos, a recomendação já é evitar, por exemplo, Usiminas PNA (-5,06%) – segunda maior queda do dia. A siderúrgica mineira tem como foco o mercado doméstico, com mais de 80% da produção ligada a Brasil. É, portanto, um papel menos interessante no setor ante Gerdau (-0,84%), que tem parte do seu lucro operacional gerado nos Estados Unidos, e mesmo em relação à CSN (-0,86%), que tem produção própria de minério de ferro.

“A busca por proteção fica nítida no movimento de ativos mais defensivos, como Gerdau e Vale no setor de matérias-primas. O investidor continua buscando diminuir o ‘risco Brasil’ do portfólio”, afirmam os analistas da Guide.

Fonte: Valor Online

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *